Museu do Judiciário Catarinense
É o órgão responsável pela pesquisa, guarda, preservação e difusão do patrimônio histórico-cultural relacionado à história do Poder Judiciário de Santa Catarina.
(48) 3287-2436
Rua Álvaro Millen da Silveira n. 208, sala HS12 no anexo, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88020-901

O Museu do Judiciário Catarinense foi criado em 6 de fevereiro de 1991, por ocasião das comemorações do primeiro centenário da Instituição.

Inaugurado em 1º de outubro de 1991, resgatou, por meio de atividades de salvamento emergencial, os documentos processuais mais antigos existentes nas comarcas e no Tribunal de Justiça. Reuniu, assim, a maior parte de seus bens na década de noventa.

No ano de 2001, foi transferido para a atual sala, na qual dispõe de local próprio para exposições e estrutura administrativa, o que facilitou o acesso da comunidade ao acervo e a efetivação de medidas para o controle e a manutenção dos bens, em obediência à legislação nacional vigente.

Assim, o Museu tornou-se referência pela qualidade do acervo, relevância de exposições temáticas, bem como pela produção de conhecimento, inclusive com várias obras de conteúdo histórico-institucional publicadas pelo Poder Judiciário catarinense.

Ato de instituição: Resolução n. 4/1991-TJ

Ato que dispõe sobre seu funcionamento: Instrução Normativa n. 1/2015-DGJ

O acervo é a representação material da memória da instituição. O do Museu do Poder Judiciário catarinense agrega:
  1. documentos manuscritos, datados do século XIX; processos judiciais originários das comarcas e do Tribunal de Justiça, com destaque para o que envolveu um dos maiores líderes do Contestado, para uma das primeiras ações de divórcio e para ações de libertação de escravos;
  2. esculturas; peças de mobiliário antigo; vestes talares; objetos utilizados por servidores e magistrados, tais como a coleção de urnas do século XIX para sorteio de jurados, porta-tinteiros, máquinas de datilografia;
  3. material iconográfico, como retratos em óleo sobre tela dos prédios que abrigaram as sedes do Judiciário e também de personalidades históricas; reproduções fotográficas de eventos e de locais relacionados à instituição;
  4. material audiovisual formado por mídia magnética, analógica e digital, que registram algumas atividades e as solenidades promovidas pelo Poder Judiciário catarinense.

Compete ao Museu:

  1. gerenciar  o acervo;
  2. resgatar, guardar e preservar o patrimônio histórico-cultural;
  3. manter exposição permanente;
  4. organizar exposições temáticas temporárias;
  5. catalogar documentos para a manutenção de banco de dados;
  6. realizar pesquisas ao acervo institucional;
  7. revisar, atualizar e publicar obras de conteúdo histórico relativas ao Poder Judiciário catarinense;
  8. efetuar palestras e seminários sobre o Museu;
  9. promover ações educativas com estudantes do ensino fundamental, médio e superior;
  10. atender os visitantes;
  11. fomentar a visitação de grupos de idosos, crianças, associações, entre outros; e
  12. prestar auxílio a pesquisadores.
O Museu possibilita aos usuários internos e externos a realização de pesquisa ao acervo documental, nos termos do Capítulo VIII da Resolução Conjunta GP-CGJ n. 4 de 30 de junho de 2015, o qual regulamenta o desarquivamento de autos findos para a realização de pesquisa acadêmica, científica ou histórica, para tanto:
  1. o usuário deverá preencher o pedido de Autorização de Pesquisa, do Anexo IV da Resolução TJ n. 9 de 21 de setembro de 2005 (http://www.tjsc.jus.br/documentacao), e encaminhá-lo ao Museu por meio do e-mail: ddi.museu@tjsc.jus.br;
  2. o pedido será submetido à aprovação do Diretor-Geral Judiciário do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina;
  3. o pesquisador será comunicado por e-mail sobre o deferimento ou indeferimento do pedido;
  4. deferida a solicitação, o pesquisador será orientado por e-mail a agendar o início da pesquisa, mediante a assinatura do Termo de Responsabilidade constante do Anexo II da Resolução Conjunta GP-CGJ n. 4 de 30 de junho de 2015; e
  5. o pesquisador deverá informar ao Museu por e-mail o término dos estudos.

Visitações espontâneas

O Museu do Judiciário Catarinense mantém uma exposição permanente, e apresenta exposições temporárias com temáticas diversas e de interesse geral, abertas ao público interno e externo. 

Essas visitações podem ser realizadas de segunda a sexta-feira, em dias úteis, das 12 às 19 horas, sem a necessidade de agendamento.

Visitações mediadas com agendamento

O Museu disponibiliza a grupos de pessoas o serviço de visitas mediadas. O agendamento deverá ser solicitado pelo e-mail ddi.museu@tjsc.jus.br ou pelo telefone (48) 3287-2480. 

Essas visitas podem ser realizadas por público interno e externo, de segunda a sexta-feira, em dias úteis, no período da manhã ou da tarde.


Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 12h às 19h.
Local: Rua Álvaro Millen da Silveira n. 208, sala HS12 no anexo, Centro, Florianópolis/SC
Telefone: (48) 3287-2436
E-mail: ddi.museu@tjsc.jus.br

A Capela Ecumênica do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina, utilizada para a realização de cultos, de celebrações e de solenidades, é uma obra do arquiteto Aldo Eickhoff.

A construção remete-nos a duas leituras: a primeira é a de várias mãos unidas em uma mesma oração, e a segunda é a representação dos cincos continentes dirigindo-se a um só Deus. 

A Capela possui três altares, dos quais um guarda as relíquias de Santa Catarina de Alexandria, padroeira do Estado.

Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h.
Local: Rua Álvaro Millen da Silveira n. 208, Centro, Florianópolis/SC
Telefone: (48) 3287-2490