Confusão entre pontuação e pausa

A vírgula, assim como o ponto e vírgula, não deveria ser tratada como marca de pausa, embora em várias situações pontuação e pausa coincidam. Em outras palavras, se não ocorre 100% das vezes e, pior, se às vezes é bem o contrário, a regra de vincular pausa e vírgula não deveria ser ensinada. Então por que tanto se associam pausa e vírgula? É porque ensinar/aprender gramática (e semântica) para pontuar corretamente é muito difícil, tanto que poucos sabem virgular.

Não se convenceu? Seja natural e faça o seguinte pedido numa casa de batidas: "Quero uma vitamina de banana, abacate e maçã". No dia a dia você fala mais ou menos assim:

"Querumavitaminadebananabacatemaçã". Colocamos uma vírgula entre banana e abacate na escrita, mas na fala natural, onde há realmente pausas (ausência de som), dificilmente haverá pausa entre banana e abacate; ao contrário, mais fácil haver crase (sim, veja o que é "crase" no dicionário).

Na escrita, portanto, há espaços em branco e pontuações, nunca pausas. Já pausa artificial dá para fazer até entre sujeito e predicado, posição proibitiva para uma vírgula, e até entre qualquer sílaba: "Eu (pausa) não (pausa) que (pausa) ro (pausa) i (pausa) sso!". Se vírgula indicasse pausa e vice-versa obrigatoriamente, esta última oração deveria ser escrita assim: "Eu, não, que, ro, i, sso!" A propósito, não confunda separação silábica (i-sso) com translineação (is-so).

 

Elaboração:  Giovanni Secco - Revisor - Seção Técnica de Elaboração Normativa/Diretoria de Documentação e Informações