null Mais de 200 detentos de Joinville realizam provas dos ensinos fundamental e médio

Com o incentivo da Vara de Execuções Penais (VEP) da comarca de Joinville, o número de detentos do Presídio Regional de Joinville que realizam as provas do Encceja PPL - Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para Pessoas Privadas de Liberdade, nesta semana (13 e 14/10), triplicou. Este exame tem o objetivo de aferir as competências, habilidades e saberes de jovens e adultos que não concluíram o ensino fundamental ou ensino médio na idade adequada.

Anualmente, as provas são realizadas dentro do Presídio Regional e, neste ano, o número de 110 inscritos para o ensino fundamental e de 111 destinados ao ensino médio surpreendeu tanto a direção da unidade prisional como a Vara de Execuções Penais. Na Penitenciária Industrial de Joinville, sob o comando do diretor Cristiano Castoldi, o número também foi grande - 211 apenados no total.

Na opinião do juiz João Marcos Buch, titular da VEP de Joinville, esse número representa o entendimento pelos detentos da importância da educação. “O aumento da procura se deve muito aos gestores e suas equipes. É claro que existe algo mais concreto, que é, conforme o resultado, a remição da pena. Entretanto, é necessário reconhecer e parabenizar os detentos, especialmente os do presídio, pois, diferente dos da penitenciária ao lado, eles não têm acesso a professores da rede pública”.

No presídio, explicou o magistrado, nem sequer sala de aula há e as secretarias de Educação, tanto municipal como estadual, não fornecem educação oficial. Ou seja, o detento que deseja lá estudar precisa superar todas as dificuldades de confinamento em celas superlotadas e insalubres e ser autodidata, servindo-se apenas da literatura, esta sim universal em todas as celas. “Precisamos entender que a educação ainda é o mais forte instrumento para a cidadania e superação da violência”, opina Buch.

"Fico muito feliz e orgulhoso com este número triplicado de detentos participantes do Encceja PPL. Este teste sinaliza positivamente para a questão da educação em nossa unidade prisional. Existe um grande incentivo para a leitura dentro do presídio, onde eles têm acesso a livros. Estamos aqui buscando formar e resgatar estas pessoas, implementando ações simples para sua ressocialização", destaca o gerente do Presídio Regional de Joinville, Wellinton dos Santos Lima.

O resultado das provas feitas pelos apenados deve sair nas próximas semanas. A prova oferece a possibilidade de elevação da escolaridade. Vale ressaltar que este exame é composto de quatro provas objetivas, cada uma com 30 questões de múltipla escolha, e uma proposta de redação. As provas objetivas avaliam diversas áreas de conhecimento e respectivos componentes curriculares. Através deste exame, os participantes têm a oportunidade de conseguir a certificação tanto para o ensino fundamental quanto para o ensino médio.

Imagens: Divulgação/Comarca de Joinville
Conteúdo: Assessoria de Imprensa/NCI
Responsável: Ângelo Medeiros - Reg. Prof.: SC00445(JP)

Copiar o link desta notícia.