Voltar

Museu do Judiciário recria Pleno da década de 1950 e convida para viagem no tempo

O hall de entrada do Tribunal de Justiça de Santa Catarina foi transformado em um autêntico túnel do tempo nesta semana. Magistrados, servidores, advogados e visitantes em geral que cruzam a porta principal, desde então, deparam-se com a reprodução fiel do ambiente físico do Pleno do TJ no início da década de 1950, quando era composto de apenas 11 desembargadores. É mais um evento na programação de aniversário que comemora os 128 anos de criação do TJSC, apresentado ao público pelo Museu do Judiciário Catarinense.

Objetos e documentos, explica o servidor e historiador Adelson Brüggemann, chefe da Divisão de Documentação e Memória do Judiciário, guardam consigo importantes informações sobre o passado. "O Tribunal de Justiça de Santa Catarina, preocupado em resguardar a memória institucional e, acima de tudo, a memória coletiva da sociedade catarinense, preserva vasto acervo documental e várias peças de mobiliário utilizadas por magistrados e servidores durante várias décadas", conta.

Segundo ele, o mobiliário em exposição foi adquirido pelo Tribunal de Justiça possivelmente no início da década de 1950, quando havia somente 11 desembargadores no Tribunal. Nessa época, o TJ funcionava na praça Pereira Oliveira, no centro de Florianópolis, onde hoje encontra-se o Banco Safra. Em 1968, com a transferência do Tribunal para a Agência Ford, no alto da rua Felipe Schmidt, os móveis do Tribunal Pleno foram levados para lá.

Em 1975, entretanto, com a inauguração da nova sede do Tribunal de Justiça de Santa Catarina no aterro da baía Sul, o antigo auditório do Pleno foi transferido para o meio-oeste do Estado e lá passou a ser utilizado para sessões do júri na comarca de Curitibanos. Nos primeiros anos da década de 1990, com a criação do Museu do Judiciário Catarinense, esse conjunto de móveis voltou à capital do Estado e passou a compor o espaço de exposições do Museu até o ano de 1996, quando, por falta de lugar, acabaram dispostos em espaço exíguo e sofreram crescente deterioração.

Desde então, divididos em partes, os móveis do antigo auditório do Pleno permaneceram em diferentes depósitos do PJSC até 2017. Nesse ano as centenas de peças, quase completamente quebradas, foram classificadas, pela forma, por servidores da Seção de Museu. Com isso foi possível iniciar, com o auxílio de marceneiros da Diretoria de Infraestrutura, a remontagem dos móveis.

Em 2018, quando foram remontados, iniciaram-se as atividades de contratação do serviço de restauração. Para esta empreitada foi contratado o restaurador Juan Marcelo Cola, que tornou possível restabelecer boa parte das características originais dos móveis. Os trabalhos de restauração foram concluídos no início do ano de 2019.

"Por fim, o antigo auditório do Tribunal Pleno, agora exposto no hall de entrada do Tribunal de Justiça, sugere reflexões sobre o desenvolvimento desta instituição e lança luz sobre o passado da sociedade catarinense e sobre como funcionava o Tribunal de Justiça nessa sociedade", conclui Adelson.

Imagens: Divulgação/Museu do Judiciário TJSC
Conteúdo: Assessoria de Imprensa/NCI
Responsável: Ângelo Medeiros - Reg. Prof.: SC00445(JP)

Copiar o link desta notícia.