null Oficina de Parentalidade sugere guarda compartilhada como ideal para pais separados

Com a finalidade de auxiliar na estruturação da família após a ruptura conjugal e informar sobre as questões que envolvem a estabilidade dos filhos e da nova família, a comarca de Joinville realizou nesta semana mais uma edição da Oficina da Parentalidade.

Cerca de 35 pessoas com processos nas varas da família da comarca e que disputam a guarda, visitas e alimentos dos filhos participaram do encontro. O tema foi ministrado pela psicóloga e mediadora Alexsandra Acácia Pietruza de Oliveira.

"A guarda compartilhada é a modalidade que mais apresenta vantagens. Os genitores devem discutir todos os pequenos e grandes assuntos relacionados aos filhos. O convívio não é interrompido, ambos os genitores acompanham o desenvolvimento dos filhos", explica a psicóloga.

Mensalmente, sempre na primeira segunda-feira do mês, as oficinas são realizadas com a finalidade de difundir a noção de que partilhar uma vida conjugal e familiar demanda esforço, mas cria um espaço seguro e confiável para a compreensão das diferenças. 

"Destacamos diversos assuntos, entre eles os danos emocionais e financeiros decorrentes do processo litigioso em comparação aos métodos adequados de resolução de conflitos como a conciliação e a mediação", explica Alexsandra. Ela acrescenta que o encontro serve para contribuir para a transformação da cultura do litígio em cultura de pacificação social.

Carlos* participou desta última edição. Separado da família há dois anos, tem um filho de oito anos de idade e acompanhou atentamente as explicações da psicóloga. "Estou aqui para compreender um pouco mais do processo. Minha ex-esposa está pedindo aumento da pensão alimentícia do nosso filho, mas atualmente não tenho condições de elevar o valor. Tenho audiência com o juiz na semana que vem sobre este caso", argumenta Carlos.

Alice*, outra participante do curso, foi enfática em dizer que, para uma criança ter educação melhor, precisa ter pai e mãe presentes. "O filho não é uma disputa e, sim, uma conquista diária", revela Alice.

Na mesma linha de pensamento está Carolina*, que conta que a raiva precisa ser deixada de lado. "É preciso que os dois lados estejam abertos ao diálogo. O principal é a comunicação entre as partes", acredita. Desde 2002, a comarca de Joinville dispõe do Serviço de Mediação Familiar, responsável por atender demandas judiciais e pré-processuais. 

* nomes fictícios

Imagens: Divulgação/Comarca de Joinville
Conteúdo: Assessoria de Imprensa/NCI
Responsável: Ângelo Medeiros - Reg. Prof.: SC00445(JP)

Copiar o link desta notícia.