Voltar

Programa Integra garante avanços na inclusão das pessoas com deficiência no Judiciário

Mais do que promover a acessibilidade às pessoas com deficiência (PCDs) no ambiente de trabalho, é preciso garantir sua qualidade de vida e inclusão social. Esses são os princípios que norteiam as ações do Programa Integra, instituído em julho do ano passado pelo Conselho de Políticas Jurisdicionais e Administrativas do Poder Judiciário de Santa Catarina (PJSC). Por meio do programa, uma equipe multidisciplinar atua de forma a assegurar o acolhimento, integração, ambientação e disponibilização de estrutura e recursos para as pessoas com deficiência no âmbito do Judiciário catarinense. Hoje, 113 colaboradores do PJSC convivem com algum impedimento de natureza física, mental, intelectual ou sensorial. 

Os avanços alcançados a partir da implantação do Integra foram repercutidos em reunião do Conselho de Políticas Jurisdicionais e Administrativas nesta segunda-feira (3/8), em videoconferência coordenada pelo presidente do PJSC, desembargador Ricardo Roesler.

O gerente do programa e chefe da Divisão de Desenvolvimento de Pessoas do Judiciário, Marcelo Dias e Silva, lembrou que as primeiras atividades foram voltadas ao acolhimento de um grupo de aproximadamente 20 pessoas com deficiência recém-nomeadas pelo PJSC. Para estruturar as ações e oferecer o apoio necessário, foram estabelecidas parcerias entre as Diretorias de Gestão de Pessoas; Saúde; Tecnologia da Informação; Engenharia e Arquitetura; Documentação e Informações; e Infraestrutura, além da Academia Judicial e do Núcleo de Comunicação Institucional. 

Além do trabalho específico junto aos servidores recém-nomeados, o programa ampliou seu alcance a partir da elaboração de um questionário voltado aos colaboradores com deficiência, suas necessidades e barreiras de acessibilidade e inclusão. Já consolidado, o Integra também passou a contar com uma página própria no Portal do PJSC, com informações e notícias voltadas às atividades do programa. "Acessibilidade não se refere somente às questões físicas, de locomoção e acesso aos nossos prédios. Envolve questões fundamentalmente atitudinais, do nosso comportamento em relação às pessoas com deficiência, e muitas outras questões de comunicação. Acessibilidade e inclusão vão muito além da questão física das estruturas das nossas unidades", destacou o gerente do programa.

A psicóloga organizacional da Diretoria de Gestão de Pessoas (DGP), Luciana Rabello Silva, lembrou que o questionário voltado aos colaboradores PCDs abre a possibilidade de ser realizada uma entrevista individual se assim o servidor desejar. Pelo menos um terço dos grupos consultados tem manifestado interesse na realização da conversa. "Temos aprendido bastante com o Programa Integra. Tem sido um programa bem importante em termos de olhar para os seres humanos e nossas diversidades. Vamos aprendendo, desenvolvendo nossas próprias limitações e habilidades para lidar com a diversidade", avaliou.

O responsável pela DGP, Rafael Giorgio Ferri, observou que a diretoria tem dedicado cada vez mais atenção ao desenvolvimento do bem-estar das pessoas. "Não vamos medir esforços junto a todas as demais diretorias, todos os setores do Tribunal, para que o programa tenha cada vez mais sucesso e continue auxiliando a todos. O programa é voltado aos servidores e magistrados com deficiência, mas ajuda a todos nós", manifestou.

"O Programa vem fazendo grande diferença na vida dos servidores com deficiência."

Participante do Programa Integra, o servidor Rodrigo Lima, que possui certo grau de deficiência visual, deixou seu depoimento sobre a experiência de poder contribuir nas discussões com a equipe multidisciplinar. Ele observou que o programa efetivamente cumpre as diretrizes da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, inclusive por garantir que colaboradores PCDs possam manifestar suas reais necessidades.

"O Programa Integra vem fazendo grande diferença na vida dos servidores com deficiência e, por via de consequência, acaba trazendo grandes benefícios para os cidadãos que necessitam da Justiça catarinense. Me sinto extremamente honrado de participar deste Conselho e contribuir minimamente com as vivências e experiências que a gente adquire ao longo da vida", declarou.

Também presente na reunião, a juíza Karina Müller cumprimentou a administração do Judiciário pela política de integração e manifestou sua satisfação em participar do Conselho. "Todos somos diferentes, mas são as diferenças que nos fazem um todo. Superando esses preconceitos pessoais com os outros, podemos levar conhecimento a respeito dos direitos, obrigações e necessidades que envolvem os servidores públicos, disseminando uma postura de respeito ao próximo", analisou.

O presidente Ricardo Roesler observou que a palavra "Integra", escolhida para definir o programa, coincide com um dos pilares adotados pela atual gestão, a integração. "É um compromisso de várias administrações, e continua sendo desta administração, melhorar a situação da acessibilidade em todos os prédios, todas as ocasiões, e sobretudo em nosso site", anunciou.

Ouça o nosso podcast.

 

Imagens: Assessoria de Artes Visuais/TJSC
Conteúdo: Assessoria de Imprensa/NCI
Responsável: Ângelo Medeiros - Reg. Prof.: SC00445(JP)

Copiar o link desta notícia.