Um palácio de memórias
130 anos do TJSC e os registros históricos preservados pelo Poder Judiciário catarinense

Um Palácio da Justiça, um palácio de memórias. O Tribunal de Justiça de Santa Catarina e seu arquivo. Duas torres verticalizadas, um grande edifício horizontal.

Com mais de oito mil metros quadrados, localizado no município de Palhoça, o Arquivo Central do Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina abriga milhares de documentos importantes não somente para a história do Tribunal de Justiça e de suas comarcas, como também para toda a sociedade catarinense. Os acervos, na maior parte, contêm documentos referentes a conflitos e disputas de todas as dimensões. Porém, os processos judiciais podem revelar muito mais sobre nossa história, sobre nossa cultura...

Para o historiador britânico Tony Judt, pensadores e viajantes do início da modernidade utilizavam recursos mnemônicos para guardar e lembrar de detalhes e descrições, assim como fez Jonathan Spence em sua obra The Memory Palace of Matteo Ricci (O Palácio de Memórias de Matteo Ricci), que trata do relato de um viajante italiano à China medieval. Para Judt, no livro O Chalé da Memória, “esses pretensos memorialistas não construíram apenas hospedarias e residências onde pudessem guardar seu conhecimento: ergueram palácios”.

Como lugar que guarda memórias que esperam ser narradas, o Arquivo Central do PJSC se transformará, nesta exposição, em um palácio de memórias: um local onde são preservadas milhares de histórias e de registros sobre muitos acontecimentos relevantes para a história de Santa Catarina, do Brasil, da América Latina e do mundo.

No ano de 2021, em plena pandemia da Covid-19, a comemoração dos 130 anos de criação do Tribunal de Justiça de Santa Catarina nos faz refletir, mais uma vez, entre outras coisas, a respeito da importância do Poder Judiciário para a sociedade catarinense. E uma de suas funções, pouco visível para a maior parte da sociedade, é a de resguardar em seus arquivos parcelas significativas de documentos que se transformam, no decorrer do tempo, em importante patrimônio cultural do Estado de Santa Catarina. Esses documentos, além de se tornarem fonte para pesquisas históricas, são alicerces que permitem que comemoremos a criação do Tribunal de Justiça.

Em face das medidas sanitárias vigentes, que proíbem a visitação ao Museu do Judiciário Catarinense, esta exposição contará com uma versão virtual composta de quatro pequenos vídeos, disponibilizados no Portal de Memória do PJSC. Esses vídeos funcionarão como capítulos de um livro.

O primeiro vídeo, Um espaço de memórias: o Arquivo Central do PJSC, apresentará aos espectadores o Arquivo Central do PJSC.

 

O segundo, Nas caixas-arquivo, muitas histórias, pode ser descrito como um breve passeio pelo conteúdo das caixas que compõem a paisagem interna do Arquivo Central. O abrir das caixas revela documentos que fornecem informações valiosíssimas para a história de Santa Catarina.

 

O terceiro vídeo, Documentos e objetos: a construção de uma narrativa, retrata a edificação da exposição no Museu do Judiciário Catarinense. Nesse vídeo podem ser observadas algumas atividades relativas à montagem de uma exposição.

 

O último, Um palácio de memórias: a exposição, mostra os resultados alcançados com a montagem da exposição. Enquanto o primeiro vídeo coloca o público diante de corredores e espaços do Arquivo Central, o último oferece um pequeno percurso pela exposição.

 

Composta de centenas de documentos selecionados, esta exposição não irá retratar um acontecimento isolado. Os visitantes poderão refletir sobre vários acontecimentos inscritos nos acervos documentais preservados pelo PJSC. Enfim, nos 130 anos do Tribunal de Justiça, o Palácio da Justiça catarinense, localizado no Centro de Florianópolis, se faz um palácio de memórias, assim como seu arquivo.

Adelson André Brüggemann

Florianópolis, 1º de outubro de 2021