Coronavírus

null Atendimento odontológico de urgência

Por que evitar o atendimento odontológico de urgência neste momento?

É notório que em saúde a prevenção é sempre o melhor remédio. Evitar uma doença ou acidente é muito mais inteligente, seguro, barato e saudável do que ter de lidar com as consequências e sequelas do ocorrido. O atual momento traz alguns motivos a mais para nos cuidarmos.

A atividade odontológica se mostra entre as de maior risco de contaminação entre as profissões da saúde. Se a equipe pode se contaminar e a COVID-19 é uma doença que pode passar assintomática ou com sintomas leves em muitas pessoas, permitindo que elas disseminem o vírus sem saber que estão doentes, há sempre o risco de que profissionais estejam trabalhando contaminados e disseminando a doença pelo ambiente de trabalho e para os pacientes, apesar de todos os cuidados usuais de assepsia e esterilização que funcionam muito bem para doenças de menor facilidade de transmissão. Ou seja, ir para um atendimento odontológico num momento de pandemia pode ser considerado de risco para transmitir ou ser contaminado pelo vírus.

Outro motivo para que as pessoas previnam a ocorrência de urgências odontológicas é a possibilidade de encontrarem dificuldade em conseguir atendimento.

Logicamente, alguns casos levarão inevitavelmente à necessidade de atendimento presencial, mesmo neste momento de pandemia, como casos de dor aguda e intensa, acidentes com fraturas importantes em dentes, ossos ou lesões em tecidos moles, entre outros. Havendo necessidade, sempre busque orientação profissional, pois só o cirurgião-dentista poderá avaliar seu quadro e determinar se há necessidade de intervenção neste momento crítico, ou se é possível postergar mediante a doção de outras medidas terapêuticas.

EM RESUMO: Ao contrário do que se recomenda em condições normais, neste momento de decretação de isolamento em função da pandemia, é interessante evitar o atendimento odontológico dentro do possível, dados os riscos. Cuide-se e siga as próximas dicas para evitar que venha a ter necessidade de atendimento de urgência.

COVID-19 Evitando urgências odontológicas envolvendo dentes naturais hígidos

Os pacientes que possuem dentes naturais hígidos, ou seja, totalmente preservados, sem cáries, restaurações, próteses, tratamentos de canal, desgastes acentuados, etc., possuem pequeno risco de necessitarem de um atendimento odontológico de urgência. São pessoas que têm até 45 anos de idade, a maioria mais jovens que isso. Nesse grupo, motivos frequentes para necessidade de atendimento odontológico de urgência são os traumatismos (batidas, quedas, etc.), acidentes alimentares (pedras, caroços e afins), soltura de partes de aparelhos ou contenções ortodônticas, inflamações ou infecções gengivais agudas e dores de natureza articular ou muscular.

O que pode ser feito para prevenir, neste momento, a necessidade de atendimentos de urgência?

  1. Não se arrisque à toa. Evite correr em pisos escorregadios ou molhados. Evite mergulhos de cabeça em piscinas de pouca profundidade. Cuide com bebês de colo, que frequentemente dão cabeçadas no rosto do cuidador. Evite brincadeiras com crianças quando haja risco de levar chutes, esbarrões, quedas. Se possuir, utilize protetor bucal esportivo em suas atividades físicas e esportivas. Evite esportes radicais e de maior risco neste momento. Redobre a atenção com escadas, tapetes e terrenos irregulares. Não segure objetos com os dentes. Não use seus dentes para abrir embalagens, tampas, garrafas, latas, etc.
  2. Preste atenção nos alimentos que vai mastigar. Ao comer azeitonas ou ameixas sem caroço, considere a possibilidade de falhas no processo de descaroçamento. Mastigue com mais cuidado, menos força e velocidade que o habitual, especialmente alimentos com potencial maior de conterem partes mais duras, como granolas, pipocas, etc. Evite tentar cortar com seus dentes alimentos que você teve dificuldade de cortar com os talheres!
  3. Se estiver utilizando aparelho ortodôntico ou contenção, higienize-os detalhadamente, mas com leveza, para evitar descolamento de partes. Caso ocorra, entre em contato com seu ortodontista para orientação. Muitas vezes é possível contornar temporariamente o desconforto de uma peça solta, ou uma ponta de fio ortodôntico com o uso de cera específica, vendida em farmácias e dentais.
  4. Mantenha excelente higiene oral. Especialmente se tem sisos nascendo, ou seja, parcialmente expostos, capriche muito nessas áreas. Essas regiões possuem maior possibilidade de inflamação em função do acúmulo bacteriano e podem desenvolver uma condição chamada pericoronarite. Cuide também para não machucar a mucosa próxima aos sisos com alimentos muito duros. Bochechos com antisséptico podem auxiliar na prevenção de inflamações de gengiva em regiões de difícil higienização. Peça orientação ao seu dentista se perceber necessidade.
  5. Mantenha uma alimentação saudável e controle os fatores de estresse. Se você range os dentes à noite e tem uma placa de proteção, não esqueça de utilizá-la. Cuide para não apertar seus dentes quando acordado (bruxismo em vigília), ou seja, desencoste seus dentes!
  6. Evite segurar objetos com o queixo ou lateral do rosto, como aparelhos telefônicos. Tente dormir sempre em posições confortáveis e ortopedicamente adequadas. Evite dormir com a mandíbula apoiada sobre mão ou antebraço.

Dúvidas e informações através do email: ds.odontologia@tjsc.jus.br.