Dicas de português
null A qualidade da leitura

 

Como foi mencionado na dica de português publicada em junho de 2020, a leitura é fundamental para nos tornarmos bons escritores.  

De fato, mesmo que se conheça com profundidade as regras gramaticais, a falta de leitura – e a falta de leitura com qualidade - acaba gerando dificuldades na hora de escrever.

É muito frequente encontrarmos jovens que, muito embora possuam a paixão pelo direito e a empolgação por iniciarem sua jornada profissional em um gabinete ou em um escritório de advocacia, não conseguem construir o raciocínio por meio da escrita. O resultado é um texto pobre, com parágrafos desconexos e erros gramaticais que até assustam.

Se por um lado a tecnologia trouxe muitas vantagens no nosso dia a dia, ela também tornou mais evidente o quanto é prejudicial a falta do hábito de leitura: a dificuldade da interpretação de texto e o empobrecimento na comunicação escrita.

A verdade é que a leitura estabelece a intimidade do leitor com o idioma. Intimidade porque, ao lermos, ainda que seja algo despretensioso, absorvemos as estruturas da escrita e todas as suas vertentes estilísticas. Contudo, essa intimidade não se conquista de uma leitura para outra. É necessário adquirir o hábito de ler com uma certa frequência.

Além disso, a leitura deve ser variada, para que possamos compreender os mais diversos estilos literários, ampliando nosso leque de conhecimento a respeito de inúmeros assuntos, que, aos poucos, vai incrementando nossa bagagem de referências.

Todas essas referências ajudarão na produção de textos mais coerentes, bem escritos, ricos de vocabulário, além de possibilitar que o escritor imprima um estilo próprio.

A leitura, contudo, não é um processo simples. Na realidade, lemos muito o que não está escrito, lemos o que o autor pretendia dizer, mas não disse expressamente. Pode-se dizer que a leitura é feita em camadas; são camadas de emoções, de simbolismos, de história, de cultura.

Sim, a leitura envolve muitos processos e eles mudam de acordo com o seu propósito: por prazer, para obter informações gerais ou informações precisas, para estudar, para buscar qualificação profissional, para revisar um texto, enfim, os objetivos são vários.

Seja a finalidade que for, é importante que a leitura seja realizada com qualidade, em relação ao conteúdo e à forma. Assim, além do tema que estamos lendo, os olhos devem estar atentos em relação às construções textuais, ao vocabulário, à pontuação, aos tempos verbais, à ortografia, à coerência na exposição da ideia.

Além disso, não se pode esquecer que a leitura técnica exige muito mais do leitor, tendo em vista que o conteúdo deve ser lido e apreendido por aquele que o lê. Nesse caso, sublinhar as palavras-chave, marcar fragmentos significativos, relacionando-os aos tantos outros fragmentos encontrados ao longo do texto, consultar o dicionário (vale para qualquer leitura), construir paráfrases mentais ou orais dos trechos mais complexos, substituir termos de difícil compreensão pelo sinônimo mais acessível, além de utilizar conhecimentos anteriores a respeito do assunto, são ferramentas mais do que necessárias para potencializar a qualidade da leitura.

Com essa consciência, é possível tornar-se um leitor mais maduro, característica que refletirá quando este leitor decidir escrever um texto, uma petição, uma decisão, um artigo científico, uma prova escrita, uma legenda de foto publicada nas redes sociais, disseminando, assim, o bom e velho português.

Elaboração: Patrícia Corazza
Fonte:
GARCEZ, Lucilia H. do Carmo. Técnica de Redação: o que é preciso saber para bem escrever. 3 edição, São Paulo: Martins Fontes, p. 23-46.