Dicas de saúde
Voltar A importância da substituição dos dentes perdidos

Vivemos hoje, no Brasil, uma realidade de condição de saúde bucal muito melhor do que a que tínhamos décadas atrás. Essa melhora da saúde bucal da população brasileira se deve em grande parte ao maior acesso às informações sobre os cuidados com a saúde bucal e geral, ao acesso a cremes dentais e a outros produtos de higiene fluoretados e à fluoretação da água de abastecimento.

Ainda assim, perdas dentárias ocorrem ao longo da vida, causadas por impactos, acidentes, más condições de higiene e problemas de saúde local ou sistêmica, entre outros fatores.

Além da consequência imediata da perda dental, que é a redução da eficiência mastigatória e alterações na fala, na deglutição e na estética, há consequências de médio e de longo prazos caso não se faça a devida substituição dos dentes ausentes. Algumas das possíveis consequências incluem:

  • sobrecarga dos outros dentes restantes;
  • perda óssea na região afetada e ao redor de dentes vizinhos, causando também retração da gengiva destes dentes;
  • movimentação dos dentes vizinhos e dos dentes do arco oposto em direção ao espaço vazio deixado; e
  • problemas articulares e dores orofaciais.

Dependendo da quantidade de dentes ausentes, até mesmo a digestão e a nutrição podem ser afetadas. 

Quanto mais tardiamente for realizada a substituição dos dentes faltantes, maiores as sequelas da ausência do dente perdido, tanto para a região do dente ausente como para os dentes vizinhos e antagonistas. Após muito tempo sem um dente, sua reposição tende a passar de um tratamento relativamente simples para um mais complexo e oneroso. Podem tornar-se necessárias etapas adicionais, como:

  • correções das posições dos dentes vizinhos e antagonistas com aparelhos ortodônticos;
  • cirurgias de enxertos ósseos ou gengivais na área desdentada e nos dentes vizinhos;
  • desgastes nos dentes vizinhos ou antagonistas para compensar suas alterações de posição, em alguns casos até precisando da remoção da polpa do dente (tratamento de canal) para permitir os desgastes necessários;
  • restaurações, próteses ou cirurgias de recobrimento de raiz para tratar a sensibilidade de raízes vizinhas ao dente perdido, que foram expostas pela contínua perda óssea na área desdentada adjacente; e
  • extrações estratégicas de dentes naturais sadios para viabilizar a reabilitação da arcada inteira por meio de implantes quando áreas extensas desdentadas tiveram grande perda óssea e quando o paciente não deseja próteses removíveis (pontes móveis) ou não se habitua com elas.

As consultas odontológicas preventivas são de extrema importância para EVITAR não só as perdas dentárias, mas também para DIAGNOSTICAR perdas dentárias existentes e receber a orientação adequada de como proceder para solucioná-las. Busque sempre a avaliação de um cirurgião-dentista.

Texto: Dra. Juliana Fontes e Dr. Lauro Bragaglia
Seção Odontológica/DAS/DS