Dicas financeiras
Voltar Investimentos para os filhos

É comum ouvirmos dos pais preocupações com o futuro financeiro dos filhos. E isto, muitas vezes, resulta na intenção de começar a poupar desde cedo para possibilitar o início de uma vida financeira mais tranquila ou a realização de sonhos. Neste sentido, muitos se perguntam: qual o melhor caminho para o alcance destes objetivos?

Poupar para os filhos é uma importante decisão que, normalmente, gera dúvidas. Qual o melhor momento para iniciar? Onde e quanto devo investir? Qual a periodicidade? Como organizar financeiramente? Estas são questões que estão entre as dúvidas mais comuns. Nesta dica traremos informações que auxiliarão você a encontrar estas respostas, conforme sua realidade financeira.

É recomendável que o planejamento destes investimentos comece antes mesmo do nascimento dos filhos. Organizar o orçamento e estar preparado para o aumento das despesas familiares é um excelente começo. Cabe destacar a importância de se constituir uma reserva de emergência para que, diante de imprevistos, não seja necessária a utilização dos recursos destinados ao futuro das crianças. A partir disto, será possível planejar sonhos alcançáveis que se enquadram na capacidade de poupar da família.

Quando falamos em investimentos para os filhos, o principal fator que temos ao nosso favor é o tempo. Sim, o tempo e os juros compostos trabalham para que o patrimônio das crianças cresça a partir de aportes constantes. Mesmo que seu orçamento comporte apenas pequenos aportes, você verá que os resultados serão surpreendentes a longo prazo, possibilitando a realização do que foi planejado.

Vejamos um simples exemplo, desconsiderando a inflação do período. A partir do nascimento do filho a família decide poupar mensalmente o valor de R$ 100,00 (cem reais). Traçamos como prazo a maioridade do filho aos 18 anos, ou seja, 216 meses. E supomos uma taxa de juros desejável de 1% (um por cento) ao mês. Ao completar 18 anos, seu filho terá disponível o valor de R$ 75.786,06, dos quais R$ 21.600,00 correspondem aos valores investidos (aportes) e o restante (R$ 54.186,06) à rentabilidade da aplicação. Este é um simples exemplo que demonstra como a disciplina de aportes regulares ao longo do tempo pode produzir um excelente resultado.

Entendido o poder dos juros compostos e do tempo, voltamos à definição dos objetivos: o que queremos oferecer para nossos filhos com o investimento? Dentre os objetivos podem estar, por exemplo, a garantia de recursos para o ensino superior, a festa de formatura, o intercâmbio no exterior, o “pé de meia” para o início da vida adulta, a aquisição do primeiro automóvel ou imóvel, ou, ainda, um excelente ponto de partida para se alcançar a independência financeira mais cedo ou uma significativa previdência, caso o filho queira continuar investindo sem resgatar o resultado do esforço familiar.

 Mas por onde começar? Definido o objetivo e o valor dos aportes condizentes com o orçamento familiar, o próximo passo é definir onde serão realizados os investimentos. Sugere-se a escolha de uma instituição financeira confiável (banco ou corretora de investimentos) com um portfólio de produtos diversificados que permitirá a realização de boas escolhas. A conta poderá ser mantida em nome dos pais ou aberta em nome do filho, sendo administrada por um responsável legal. No segundo caso, não será necessária transferência dos valores para o filho na idade adulta e eventual pagamento de imposto de renda no resgate que a antecede.

A próxima etapa é uma das mais difíceis: escolher o tipo de investimento mais adequado aos objetivos, ao prazo, ao valor dos aportes e ao perfil investidor da família.

Caso a opção seja priorizar investimentos de renda fixa, mais conservadores e seguros, sugere-se a escolha dos que remuneram acima da inflação, preferencialmente indexados a indicadores inflacionários acrescidos de rendimentos reais. Para saber mais sobre este tipo de investimento, sugerimos a leitura de nossas dicas sobre renda fixa que explicam cuidadosamente a diferença entre os produtos disponíveis no mercado.

Dependendo do perfil de investidor da família, pode-se considerar a possibilidade de aplicar parte dos recursos em produtos de renda variável (ações, fundos de ações ou fundos de investimento imobiliário). No entanto, apesar destes investimentos de perfil arrojado poderem oferecer maiores retornos a longo prazo (a depender da conjuntura), estão sujeitos a riscos que podem comprometer o planejamento e o alcance dos objetivos traçados. Assim, é necessário muito conhecimento e cautela ao realizar esta escolha.

Também há a possibilidade de se contratar produtos de previdência privada específicos para crianças, que podem, em alguns casos, incluir seguro de vida no caso da perda dos pais. Um atrativo desta modalidade é a possibilidade de alíquotas de impostos sobre os rendimentos menores do que as de outros investimentos. Para saber mais, consulte nossas dicas sobre previdência privada.

Mas atenção! Tão ou mais importante que os investimentos financeiros, é o investimento na educação financeira dos filhos. Estimular o conhecimento sobre educação financeira desde criança contribui para o desenvolvimento da responsabilidade em administrar seus recursos. Definir uma mesada e incluir as crianças em decisões financeiras familiares do cotidiano favorece o aprendizado sobre a importância de poupar, de compreender o valor das coisas, de estabelecer limites, de não gastar mais do que ganha e de ter objetivos e planejamento para alcançá-los.

Achou o conteúdo interessante? Quer saber mais sobre como iniciar outros tipos de investimentos? Acesse a página do Programa de Educação Financeira e conte conosco para uma conversa agradável sobre o tema! Quer agendar um atendimento, contribuir com o programa ou sugerir conteúdo para nossas ações? Então mande seu e-mail para educacaofinanceira@tjsc.jus.br. E não esqueça: na hora de investir, busque o auxílio de um profissional credenciado!

 

Elaboração:
Kellen Cristina Ruberti
Marcelo Dias e Silva
Equipe do Programa de Educação Financeira
 
 
Referências:
Criança pode investir? Inicie a vida financeira dos pequenos.  Disponível em: https://conteudos.xpi.com.br/aprenda-a-investir/relatorios/crianca-pode-investir-descubra-como-iniciar-a-vida-financeira-dos-pequenos/. Acesso em 3 mai 2022.
Poupar para os filhos: quando devo começar? Publicada em 7/4/2022. Disponível em: https://shots.hellosaks.com/poupar-para-os-filhos/. Acesso em 6 mai 2022.