Dicas financeiras
Voltar Poupança: prós e contras

Vale a pena colocar meu dinheiro na poupança? A rentabilidade é boa? O que acontece com a rentabilidade em um cenário de crescimento da inflação? Como ela é calculada? Essas e outras perguntas serão abordadas nesta dica financeira! Vem com a gente!

Preferida entre os brasileiros, a aplicação na poupança é a forma mais tradicional e conservadora de se guardar dinheiro. Pesquisa realizada em 2020 pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revelou que mais da metade dos brasileiros (mais precisamente 52,1%) não tem o hábito de poupar. Dos que poupam, 62% disseram deixar seus recursos na caderneta de poupança e, acreditem, outros 27% responderam preferir deixar seus recursos em casa.

Pontos positivos

Quando o brasileiro consegue poupar, ele prefere a facilidade, a segurança e a liquidez, abrindo mão de maior rentabilidade. Nesse sentido, ela possui alguns pontos positivos:

a) Liquidez: o valor investido pode ser rapidamente transformado em dinheiro vivo;

b) Zero tarifas: a conta-poupança é isenta de taxas de abertura de conta e de administração;

c) Isenção de impostos: para pessoa física, os rendimentos são isentos do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF);

d) Garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC): o FGC, presente também em outras modalidades de investimentos em renda fixa, é uma espécie de “seguro” que permite ao investidor, em caso de insolvência financeira do banco, receber a quantia depositada, sem perdas. Tal proteção é limitada a R$ 250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais) por CPF, por instituição, e limitado a R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais) a cada 4 anos;

e) Facilidade e praticidade: forma mais fácil de se iniciar uma reserva de recursos.

Mas por que a aplicação na poupança gera discussão?

Porque nem sempre a rentabilidade da poupança é suficiente para manter, ou garantir o poder de compra dos recursos aplicados. Para compreendermos esta questão, a rentabilidade deve ser comparada com a inflação, a fim de se obter o ganho real (rentabilidade da aplicação menos a inflação do mesmo período). 

Observem, no gráfico abaixo, o rendimento mensal da poupança em comparação com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Principalmente após o mês de julho de 2020, o rendimento da poupança vem perdendo significativamente para a inflação:

Gráfico comparativo entre o rendimento da poupança e o IPCA entre os meses de janeiro de 2016 e setembro de 2021
Fonte: https://investnews.com.br/guias/poupanca-como-funciona-quanto-rende/

Vejamos um exemplo:

Um valor de R$ 1.000,00 (um mil reais) aplicado na poupança. Supondo a rentabilidade da poupança de 2% ao ano, ao final do ano o saldo na conta poupança será de R$1.020,00 (um mil e vinte reais). Se nesse mesmo ano, o índice de inflação foi de 4%, aquele produto que você pretendia comprar, que custava R$ 1.000,00 (um mil reais), estará custando, em média, R$ 1.040,00 (um mil e quarenta reais). Assim, a rentabilidade dos recursos deixados na poupança não foi suficiente para manter o seu poder de compra.

Dentro desse contexto, vale reforçar a importância de, sempre que possível, acumular e poupar para, somente depois, efetuar a compra. Tal providência pode render descontos na hora compra, evitar juros em pagamentos parcelados e, ainda, aproveitar a rentabilidade dos valores investidos.

Mas, afinal, qual é a rentabilidade da poupança e como ela é calculada?

Sobre esse assunto, é interessante saber que os recursos aplicados na poupança são destinados pelas instituições financeiras, na sua maior parte, para programas de financiamento imobiliário, como o Sistema Financeiro de Habitação, ou seja, possuem uma função social e de estímulo ao setor de construção civil no país.

No ano de 2012, houve mudança nas regras de remuneração, justamente para que, em cenários de queda dos juros, a rentabilidade da poupança não fique superior à Selic (taxa básica de juros da economia). Isso porque, além do exposto acima, o governo pega dinheiro emprestado através de títulos públicos e, se a poupança ficar mais atraente do que estes, pode gerar a migração dos investimentos para a poupança, prejudicando o financiamento do próprio governo.

A remuneração da poupança é regulada pelo Governo Federal, ou seja, não depende da instituição financeira. O percentual incide sobre o menor saldo do período. Para contas tipo pessoa física, o período é o mês corrido, tendo como data de aniversário a data de abertura da conta (para contas abertas nos dias 29, 30 e 31, a data de aniversário é o dia 1º do mês seguinte, data de crédito do rendimento). Em caso de saque antes da data, não há nenhuma rentabilidade.

As regras de remuneração da poupança são as seguintes:

a) Poupança antiga (depósitos feitos até 3 de maio 2012): a remuneração desses depósitos é sempre de 0,5% ao mês (6,17% ao ano) mais TR, independentemente do percentual da Selic;

b) Poupança nova (depósitos efetuados a partir de 4 de maio de 2012): aqui teremos duas possibilidades:

b.1) Selic menor ou igual a 8,5% ao ano: a poupança renderá 70% (setenta por cento) da Selic, mais a taxa referencial (TR);

b.2) Selic maior que 8,5% ao ano: a caderneta passa a ter um retorno fixo de 0,5% ao mês mais a TR (ou seja, 6,17% ao ano).

Imagem de um porquinho apresentando a rentabilidade da poupança: 70% da Selic mais TR quando a Selic é menor ou igual a 8,5% ao ano, e 6,17% ao ano quando a Selic é maior que 8,5% ao ano
Fonte: https://investnews.com.br/guias/poupanca-como-funciona-quanto-rende/

Em 8 de dezembro de 2021, com a decisão do Comitê de Política Monetária (COPOM) de elevar a taxa básica de juros (Selic) de 7,75% para 9,25%, houve a alteração da forma de rentabilidade da poupança. Assim, a caderneta, que antes rendia 5,43% ao ano, passou a ter rentabilidade de 6,17% ao ano mais TR. Sobre a TR, taxa referencial atrelada à remuneração dos títulos públicos, que desde 2017 estava zerada, com a elevação da taxa de juros voltou a apresentar valor positivo em dezembro de 2021 (TR dez/2021 = 0,048% a.a.).

No entanto, o acumulado do IPCA nos últimos doze meses já atinge o patamar de 10,67% ao ano. Portanto, o investimento na poupança, em termos de rentabilidade, sequer atinge tanto a taxa básica de juros (Selic), quanto a inflação (IPCA).

Pontos negativos

Os principais pontos negativos da poupança são os seguintes:

a) baixa rentabilidade: Dentre as opções de renda fixa, tende a ser a de menor rentabilidade do mercado;

b) perda do poder de compra: significa que a sua rentabilidade não acompanha o nível de preço dos produtos, de maneira que estes crescem mais do que os juros que você recebe;

c) forma de cálculo da rentabilidade: é auferida apenas no dia do aniversário (uma vez a cada 30 dias), e é calculada sobre o menor saldo do período. Isto é, caso o resgate ocorra até o 29º dia, sobre ele não incidirão juros. Sobre este aspecto, registre-se que há muitos produtos de renda fixa nos quais a rentabilidade é diária, e não mensal. Desse modo, o investidor que aplicou, por exemplo, em um CDB de liquidez diária ou no Tesouro Selic, mas que resgatou no 20º (vigésimo) dia, receberá juros sobre o período, algo que não ocorre na poupança.

Nesse contexto, existem alternativas que também são seguras, possuem liquidez diária, são garantidas pelo FGC e remuneram em pelo menos 100% do CDI (que, na prática, é bem próxima a 100% da Selic). São elas: aplicações em Tesouro Selic, CDBs (Certificados de Depósito Bancários), fundos de investimento em renda fixa que investem em títulos públicos, LCIs e LCAs (Letras de Crédito Imobiliário e Agropecuário, respectivamente). Já escrevemos sobre estes assuntos em dicas anteriores.

Para formação de reservas de emergência (fatia do seu patrimônio utilizada para fazer frente a imprevistos de diversas naturezas), especialistas sugerem, por exemplo, o Tesouro Selic, que paga 100% da Selic, com remuneração diária. Nessa modalidade, até o valor aplicado de R$10.000,00 (dez mil reais) por CPF não há cobrança da taxa de custódia. Incide sobre a rentabilidade o IR, com taxas conforme o prazo aplicado. Nosso Programa possui tanto uma dica financeira quanto um podcast sobre o tema!

Em 2021, os títulos públicos passaram a ter liquidez diária, ou seja, se o resgate for solicitado até as treze horas, em dias úteis, o valor é creditado na conta no mesmo dia.

À medida que vem crescendo o interesse das pessoas sobre finanças pessoais e produtos financeiros, observa-se uma diversificação dos seus investimentos, conforme concluiu pesquisa realizada pela Associação Nacional das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capital – ANBIMA, denominada Raio X do Investidor brasileiro. Verificou-se que, no ano de 2020, pela primeira vez desde que a pesquisa passou a ser realizada, a poupança perdeu adeptos, enquanto outros investimentos como ações, títulos privados e fundos ganharam participação no portfólio dos brasileiros.

Achou o conteúdo interessante? Quer saber mais sobre como iniciar outros tipos de investimentos? Acesse a página do Programa de Educação Financeira e conte conosco para uma conversa agradável sobre o tema!

Quer agendar um atendimento, contribuir com o programa ou sugerir conteúdo para nossas ações? Então mande seu e-mail para educacaofinanceira@tjsc.jus.br.

E não esqueça: na hora de investir, busque o auxílio de um profissional credenciado!

Elaboração:
Kellen Cristina Ruberti
Leandro Ambros Gallon
Equipe do Programa de Educação Financeira
 
Referências:
ALVARENGA, Darlan. IPCA: inflação oficial fica em 1,25% em outubro e atinge 10,67% em 12 meses. G1. 8 dez. 2021. Disponível em:
 
___________. Selic a 9,25%: cálculo do rendimento da poupança muda; veja como fica e o comparativo com outros investimentos. G1. 8 dez. 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/12/08/selic-a-925percent-calculo-do-rendimento-da-poupanca-muda-veja-como-fica-e-o-comparativo-com-outros-investimentos.ghtml Acesso em: 15 dez. 2021.
 
BARROS, Camila. Poupança: como funciona e quanto rende hoje? Veja simulações InvestNews. 28 set. 2021. Disponível em: https://investnews.com.br/guias/poupanca-como-funciona-quanto-rende/ Acesso em: 15 dez. 2021.
 
NOVIDADE! Liquidez diária no Tesouro Direto: dinheiro na conta no mesmo dia. Tesouro Nacional. 13 set. 2021. Disponível em: https://www.tesourodireto.com.br/noticias/novidade-liquidez-diaria-no-tesouro-direto-dinheiro-na-conta-no-mesmo-dia.htm Acesso em: 15 dez. 2021.
 
PINTO, Deogracia. Pesquisa aponta investimento na poupança como o mais escolhido pelos brasileiros. Agência Brasil. Brasília, 24 mar. 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/radioagencia-nacional/acervo/economia/audio/2020-03/pesquisa-aponta-investimento-na-poupanca-como-o-mais-escolhido-pelos/ Acesso em: 15 dez. 2021.
 
RAIO X do Investidor Brasileiro. 4. ed. Associação Nacional das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capital – ANBIMA. Rio de Janeiro. 2021. Disponível em: https://www.anbima.com.br/pt_br/especial/raio-x-do-investidor-2021.htm Acesso em: 15 dez. 2021.