Meta de produtividade

Inicialmente, cabe ressaltar que o cumprimento da meta de produtividade pelo servidor em teletrabalho equivale ao cumprimento de sua jornada de trabalho (art. 27 da Res. TJ n. 22/2018).

O gestor em parceria com o chefe imediato e o servidor interessado em ingressar no Programa do Teletrabalho deverão de estabelecer a meta de produtividade.

A meta deve ser definida de forma adequada e executável, nunca perdendo de vista os três pilares do teletrabalho: incremento da produtividadeaumento da qualidade do trabalho e melhoria da qualidade de vida do servidor.

São o gestor e o chefe imediato que conhecem a realidade e as necessidades da unidade, devendo assim fixar um percentual de aumento de no mínimo 20% sobre a média da produtividade dos últimos 6 meses dos servidores presenciais que exercem atividades correlatas as que o servidor em teletrabalho executará.

O gestor/chefe imediato poderá fixar meta acima de 20% conforme a demanda da unidade.

Também cabe ao gestor e ao chefe imediato definir se a meta será unificada ou em atividades distintas.

Meta unificada - Ex.: Cartórios Judiciais - atividade 1 (movimentações/documentos emitidos); Gabinetes - atividade 1 (minutas). O estabelecimento da meta unificada deixa o gestor/chefe imediato livre para gerir a unidade conforme a necessidade atual.

Meta por atividades distintas - Ex.: Cartórios Judiciais - atividade 1 (movimentações) + atividade 2 (documentos emitidos); Gabinetes - atividade 1 (minutas de despachos) + atividade 2 (minutas de decisões interlocutórias) + atividade 3 (minutas de sentenças). Cabe esclarecer que se a meta for estabelecida em atividades distintas, devem ser cumpridas separadamente, não se admitindo a compensação entre as atividades. 

Ao ser definida a meta de produtividade, cabe firmar um acordo de trabalho por meio do formulário Plano de Trabalho, no qual deverá constar a meta diária a ser cumprida; a periodicidade; a forma de contato com o gestor/chefia imediato e o prazo de vigência do teletrabalho.

Lembramos que a meta é diária! E pode ser revista a qualquer tempo!

Dicas para o cálculo da meta
  • Nos requerimentos de ingresso no Teletrabalho devem entrar no cálculo servidores que exercem atividades correlatas com as que serão desenvolvidas pelo servidor que ingressará no teletrabalho, inclusive a sua produtividade;
  • Devem ser excluídos do cálculo: chefes imediatos, servidores em teletrabalho, residentes, servidores cedidos das Prefeituras, estagiários, voluntários e terceirizados;
  • Orienta-se retirar do cálculo as publicações de relação, pois com um clique gera inúmeras movimentações. Ou se só um servidor finaliza as publicações de relação, este servidor não deve entrar no cálculo para o estabelecimento da meta, devendo-se explicar tal situação no campo "Observações complementares" do Plano de Trabalho;
  • Se em algum mês a unidade fez uma força tarefa para digitalizar e categorizar os processos, orienta-se excluir este mês para o cálculo da meta, devendo-se explicar tal situação no campo "Observações complementares" do Plano de trabalho;
  • Se a média do servidor que pretende ingressar no teletrabalho for superior a da equipe acrescida de 20%, a meta deve ser fixada com a sua média de produtividade; e
  • No pedido de prorrogação do teletrabalho, o servidor que pretende prorrogar o teletrabalho não deve entrar no cálculo da meta, pois possui uma condição diferenciada.
Fluxograma para o estabelecimento da meta parte administrativa *

*Desenvolvido em parceria com a ASPLAN

Mais informações

Equipe do Teletrabalho
Seção de Análise de Cargos
Divisão de Gestão de Cargos
Diretoria de Gestão de Pessoas
E-mail: dgp.teletrabalho@tjsc.jus.br
Telefones: (48) 3287-7430, 3287-7588 e 3287-7406