Dicas de gestão
Voltar

Comunicação Não-violenta

Quando pensamos em gestão de pessoas, a palavra-chave é COMUNICAÇÃO.

O investimento em conhecimentos nessa área é imprescindível para um bom gestor; afinal, como vimos na dica sobre comunicação e feedback, a comunicação constitui o pilar de qualquer relação interpessoal.

Por isso, nesta dica será apresentada a metodologia de Comunicação Não-Violenta (CNV), desenvolvida pelo psicólogo Marshall Rosenberg, que apoia o estabelecimento de relações de parceria e cooperação, em que predomina a comunicação eficaz e com empatia.

Esse método está baseado na compreensão dos sentimentos e das necessidades que estão ocultas em cada fala. Nas palavras de Rosenberg (2006, p. 21-22):

A CNV nos ajuda a reformular a maneira pela qual nos expressamos e ouvimos os outros. Nossas palavras, em vez de serem reações repetitivas e automáticas, tornam-se respostas conscientes, firmemente baseadas na consciência do que estamos percebendo, sentindo e desejando. [...] A CNV nos ensina a observarmos cuidadosamente (e sermos capazes de identificar) os comportamentos e as condições que estão nos afetando. Aprendemos a identificar e a articular claramente o que de fato desejamos em determinada situação. A forma é simples, mas profundamente transformadora.

Nesse sentido, a CNV favorece a ampliação da empatia e da aceitação da diversidade humana, promovendo verdadeira conexão entre as pessoas.

Rosenberg organiza o método em 4 componentes:

#1 Observação: observar o que realmente está acontecendo em determinada situação, ou seja, os fatos concretos, colocando de lado os julgamentos antecipados e as críticas;
 
#2 Sentimento: identificar como se sente em relação ao que é observado. Mas atenção: sentir é diferente de interpretar pensamentos! Devemos identificar e dar nomes às emoções que estão se manifestando, como por exemplo: medo, desconforto, vergonha, raiva, confusão, frustração, cansaço, felicidade, entre outros;
 
#3 Necessidades: reconhecer a necessidade que está gerando o sentimento, como por exemplo: segurança, acolhimento, apoio, respeito, aceitação, compreensão, honestidade, confiança, liberdade, entre outras;
 
#4 Pedido: realizar os pedidos de forma que contemple o atendimento às nossas necessidades.

Assim, uma fala utilizando a Comunicação Não-Violenta poderia ser expressa da seguinte forma:

Quando você determinou o cumprimento imediato daquela tarefa [observação], eu me senti desconfortável e desorientado [meus sentimentos], pois preciso compreender a razão da urgência [minha necessidade]. Em uma próxima vez, você poderia me contextualizar da importância de sua determinação? [meu pedido]

Para saber mais sobre esta metodologia, assista a entrevista.

Elaboração:
Diretoria de Gestão de Pessoas
Divisão de Desenvolvimento de Pessoas
 
Referências:
Rosenberg. Marshall B. Comunicação não-violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais I Marshall B. Rosenberg; [tradução Mário Vilela]. - São Paulo: Ágora, 2006.
 
Comunicação Não-Violenta (CNV): Disponível em: <http://www.institutodialogo.com.br/comunicacao-nao-violenta-e-os-4-passos-fundamentais/>Acesso em 28 fev 2020.
 
Comunicação Não-Violenta (CNV): o que é, como funciona e como aplicar o conceito. Disponível em: <https://www.napratica.org.br/comunicacao-nao-violenta/>Acesso em 27 dez 2019.