Dicas financeiras
null Como identificar meu perfil investidor?

Em nossas Dicas Financeiras anteriores, abordamos a importância da formação da reserva de emergência, colchão de liquidez que deve ser mantido por todos, a fim de suprir gastos maiores com imprevistos. Mencionamos inclusive a possibilidade de utilização de parte desta reserva em oportunidades de investimento. Seguindo nesta linha de raciocínio, só podemos pensar na diversificação dos investimentos após termos constituída a reserva de emergência.

Partindo da premissa de que a fatia emergencial já está montada, surgem dúvidas sobre como alocar novos recursos em busca de maior rentabilidade. Antes, porém, é fundamental termos conhecimento de nosso perfil de risco (pré-disposição do investidor em correr riscos) e experiência no mercado financeiro.

Nos termos da Instrução n. 539, de 2013, da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), as instituições financeiras têm o dever de adequar os produtos e serviços oferecidos ao perfil financeiro do cliente. E para identificá-lo formulam um teste, também conhecido como suitability, com perguntas que buscam identificar o nível de tolerância ao risco do cliente.

O suitabiliy funda-se em três pilares: segurança, liquidez e rentabilidade. Busca identificar, nos investidores, um dos três perfis clássicos: conservador, moderado e agressivo, sendo o primeiro com a menor tolerância ao risco e o último com a maior. Esta identificação é indispensável para que o assessor de investimentos, funcionário da instituição financeira, possa melhor orientar os clientes, como, por exemplo, no caso de uma pessoa com perfil conservador demonstrar interesse em investir em ações, modalidade de investimento não alinhada ao seu perfil.

Cada perfil possui determinada característica que se sobressai em relação às demais. O investidor conservador coloca sua segurança em primeiro lugar, assumindo os menores riscos possíveis. Neste caso, são indicados investimentos em renda fixa, títulos do Tesouro Direto ou fundos de investimento com rendimentos pré-fixados.

O investidor com perfil moderado é aquele que preza pela segurança do seu capital, porém busca retornos acima da média, aceitando assumir pequenos riscos. Um exemplo de investimento adequado a este perfil são os fundos multimercados, mais estáveis do que os fundos de ações.

Por fim, temos o investidor com perfil agressivo. Para se enquadrar neste perfil é necessário ter bom conhecimento sobre o mercado financeiro, muito estudo sobre o tema ou ser profissional da área. E, principalmente, ter noção dos riscos aos quais se submete quando busca obter rentabilidade acima da média que, de forma geral, está diretamente vinculada à alta volatilidade do investimento, ou seja, alta oscilação dos valores investidos, para mais ou para menos. Os investimentos que geralmente atraem pessoas com este perfil são: ações, fundos imobiliários, criptoativos ou investimentos no exterior.

Em síntese, estes perfis têm as seguintes características:

Perfil

Conservador

Moderado

Agressivo

Características

É avesso ao risco e se guia pela vontade de preservação do capital investido

Concilia os riscos e as perspectivas de ganhos, evitando exposições excessivas.

Mais experiente, aceita correr riscos em troca da possibilidade de lucros maiores, especialmente de longo prazo.

Produtos indicados

Produtos de renda fixa: poupança e títulos de baixo risco: públicos (Tesouro Direto) ou privados (LCI, LDB e CDB).

Investimentos mesclados: títulos de baixo risco e fundos de investimento.

 

Produtos de renda variável: bolsa de valores e mercado de futuros e derivativos.

Oportunamente nossas Dicas abordarão cada uma das modalidades de investimento mencionadas para que você possa compreendê-las melhor. Fique atento!

Quer saber qual o seu perfil de investidor? Há diversos testes disponíveis na rede mundial de computadores. Compartilhamos aqui o acesso a um deles, disponível na página eletrônica do Professor André Bona, por meio do qual você poderá identificar o seu perfil atual!

Quer saber mais sobre os perfis do investidor? Leia esta matéria sobre o tema.

Elaboração
Leandro Ambros Gallon
Marcelo Dias e Silva
Equipe do Programa de Educação Financeira