Bebê recém-nascido é adotado em cinco dias com trabalho remoto da comarca de Biguaçu

Uma criança recém-nascida em maternidade de Biguaçu, na Grande Florianópolis, teve seu processo de adoção sacramentado pela Justiça local - que trabalha em regime de home office por conta da pandemia de coronavírus - em cinco dias. A mãe, que era atendida pelo Serviço Social da comarca de Biguaçu, já havia adiantado seu interesse em doar o bebê durante a gravidez.

Com a adoção de medidas restritivas para evitar a disseminação da Covid-19, entretanto, esse contato ficou prejudicado. A criança nasceu no último dia 18. No dia 20, a maternidade comunicou o cartório extrajudicial sobre o fato, que ao seu turno repassou a informação ao juízo da comarca. "A partir daí, mesmo que de nossas casas, passamos a trabalhar prioritariamente neste caso", lembra a assistente social forense Valéria Medeiros.

A primeira providência foi enviar um oficial da Infância e Juventude até a maternidade para colher da mãe sua assinatura no termo de desistência da criança. Este documento é fundamental para o processo. "Muitas mães firmam o interesse de não ficar com os filhos mas, quando chega o momento, voltam atrás e querem manter os bebês consigo", explica Valéria.

Com o aceite da mãe, o processo tramitou pela 1ª Vara Cível de Biguaçu, sob a titularidade do juiz José Clésio Machado, até chegar o momento de avisar o casal que estava na fila da adoção que a criança aguardava por eles na maternidade. Os pais apanharam a criança na maternidade local na manhã desta quinta-feira (26/3).

"Com certeza foi uma linda e emocionante experiência que todos vivemos, principalmente em meio à crise por conta do coronavírus. E também motivo de orgulho, pois mesmo em circunstâncias adversas, trabalhando de casa, conseguimos cumprir e prestar nosso serviço com eficiência", comentou a assistente social Valéria.

Imagens: Divulgação/Freepik
Conteúdo: Assessoria de Imprensa/NCI
Responsável: Ângelo Medeiros - Reg. Prof.: SC00445(JP)

Copiar o link desta notícia.