Programas inovadores, desenvolvidos pela CGJ, promovem celeridade ao 1ª grau do PJSC

A 43ª  edição da Palavra do Presidente - Ao Vivo, apresentada nesta quinta-feira (10/6), abordou os projetos da Corregedoria-Geral da Justiça ao Primeiro Grau do Poder Judiciário de Santa Catarina, especificando as iniciativas "Programa Simplifica"; "Programa Permanente de Treinamento e Implementação da metodologia de gestão por Triagem Complexa"; ¿Robôs de Apoio à Rotina Forense¿ e o "Programa de Mentoria de BI (Business Intelligence)¿. Participaram desta edição a desembargadora Soraya Nunes Lins, corregedora-geral da justiça do PJSC; Silvio José Franco, juiz-corregedor (Núcleo II) do PJSC; Jaber Farah Filho, juiz-corregedor (Núcleo I) do PJSC; Ramon de Quadros Costa, coordenador do Núcleo II do PJSC; Dayane Cristina Tonielo e Douglas Sausedo Nunes, assessores correicionais do PJSC.

O presidente do PJSC, desembargador Ricardo Roesler, destacou que Palavra do Presidente é apenas um título do programa, pois também é a palavra de quem está engajado na administração. ¿Eu sou apenas um coordenador de iguais. Dentro desta coordenação, eu administro o Tribunal de Justiça, mas é um trabalho que não se faz sozinho. É um trabalho de muita equipe, de muito engajamento, de muita coragem e de muita vontade. De muito pertencimento ao Poder Judiciário e é isso que nós vamos ver hoje aqui, com a entrega de inovações¿, citou durante a abertura do programa parabenizando toda a equipe da Corregedoria-Geral da Justiça do PJSC pela inovação e criatividade dos projetos.

A corregedora-geral da justiça do PJSC, desembargadora Soraya Nunes Lins, expressou solidariedade à todas as vítimas de Covid-19, familiares e amigos e manifestou gratidão aos profissionais da Saúde, destacando o momento de extrema dificuldade vivido. ¿O trabalho realizado é fruto da dedicação e comprometimento de toda a equipe do órgão correicional, que não poupou esforços para concretizar a missão de orientação, coordenação e execução de politicas públicas voltadas ao bom desempenho da atividade judiciária do Primeiro Grau de jurisdição, implementando iniciativas e desenvolvendo projetos visando o seu aperfeiçoamento, sem descuidar do aspecto humano, da sensibilidade que deve decorrer as ações do agente público¿, reforça ao salientar que tal empenho não está restrito a Corregedoria, mas a todo o Tribunal de Justiça.

O juiz-corregedor Silvio José Franco, do Núcleo II do PJSC, destacou a importância do uso da tecnologia, que tem auxiliado o Poder Judiciário neste momento pandêmico. Reforçou que a Corregedoria tem focado em projetos visando auxiliar e apoiar o Primeiro Grau, se adaptando a nova realidade. ¿Há dois anos não era possível imaginar que todo o Poder Judiciário estaria em home office, por exemplo. O atendimento era iminentemente presencial e hoje estamos atendendo por Central de Atendimento Eletrônico, Balcão Virtual e pelo WhatsApp. Há uma mudança radical na forma de atendimento. Neste cenário começamos a perceber uma ideia de reformulação de processos¿, observa ao citar o uso de inteligência artificial e da automatização de processos de busca.

Por videoconferência, o coordenador do Núcleo II do PJSC, Ramon de Quadros Costa, explanou sobre o programa ¿Robôs de Apoio à Rotina Forense¿, desenvolvido especialmente para realizar acesso aos sistemas cadastrais conveniados ao Poder Judiciário em seis bases (Sisp, Casan, Celesc, FCDL, Renajud e Infojud), capturando dados de endereço, telefone e e-mail, gerando um arquivo de PDF a ser anexado aos autos, sem necessidade de intervenção humana. ¿Isto nos permite ter um ganho exponencial de produtividade, é utilizado em massa pelas grandes organizações e tem trazido mais celeridade o que se transformará em satisfação dos juridiscionados. Com início em 21 de maio já foram certificados 7.075 processos e atendidas 284 unidades judiciais, média de 505 processos certificados por dia¿, apresentou o servidor ao explicar como é feita a busca e mostrar os primeiros resultados com o uso da ferramenta disponibilização ao Primeiro Grau em maio deste ano.

A assessora correicional Dayane Cristina Tonielo abordou o ¿Programa Permanente de Treinamento e Implementação da metodologia de gestão por Triagem Complexa¿, que auxilia as unidades judiciais no enfrentamento do acervo e da demanda. ¿Ela tem basicamente a finalidade de eliminar o congestionamento causado por aquelas demandas de baixa complexidade ou intensidade e consequentemente disponibilidade tempo e recurso para as causas sensíveis e complexas¿, destaca. A servidora explicou a metodologia desenvolvida pelo juiz Orlando Luiz Zanon, que atualmente atende mais de 110 unidades, e em abril do ano passado foi reconhecida como boa prática pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O juiz-corregedor do Núcleo I do PJSC, Jaber Farah Filho, apresentou o ¿Projeto Simplifica¿, implantado em março deste ano e desenvolvido pelo Núcleo II do PJSC, com foco na desburocratização de procedimentos administrativos que traz mudanças significativas para o desempenho dos serviços judiciários de Primeiro Grau e do Órgão Correicional. ¿As adaptações burocráticas e das normativas devem acompanhar as inovações, isso é de suma importância. Precisamos estar constantemente adaptando a legislação, seja externa ou interna, a medida que o nosso mundo se transforma tão rapidamente¿, destacou em sua fala ao ressaltar que o Simplifica continua em curso e promove a revisão de atos normativos e demais providências.

O magistrado apresentou ainda o projeto ¿Idoso com Superprioridade¿, elaborada pelo Núcleo V - Direitos Humanos da CGJ, do PJSC. A iniciativa tem como objetivo primordial garantir prioridade especial na tramitação dos processos que tenham como parte idoso com mais de 80 anos. O projeto leva em conta uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no ano 2018, prevendo para 2043 que um quarto da população deverá ter mais de 60 anos, enquanto a proporção de jovens até 14 anos será de apenas 16,3%. ¿Neste contexto, o Núcleo V desenvolveu este projeto com o objetivo de permitir o acompanhamento deste processo pelo próprio magistrado e de forma auxiliar pela Corregedoria. O acompanhamento pode ser feito, em tempo real, através de um painel de Business Intelligence (BI)¿, mostrou.

O assessor correicional Douglas Sausedo Nunes encerrou as apresentações com o projeto ¿Programa de Mentoria de BI (Business Intelligence)¿. O servidor destacou a importância do gerenciamento de dados ressaltando que cada vez mais se exige um dimensionamento da carga de trabalho. ¿Com os processos eletrônicos, o fluxo entre a distribuição e a baixa definitiva tornou-se ligeiramente mais célere. Isso faz com que os magistrados e os chefes de cartório, enquanto gestores das unidades, tenham que buscar alternativas de gestão igualmente rápidas para melhorar este gerenciamento do tempo¿, observa. A mentoria, que pode ser solicitada por meio da Central de Atendimento da CGJ, consiste em destacar as principais funcionalidades dos painéis e indicar os pontos de destaque e as oportunidades de melhorias encontrados na análise estatística, comparando-os com o histórico da unidade.

Depois das intervenções e explanações, o público pôde fazer perguntas. Com produção do Núcleo de Comunicação Institucional do TJSC, o programa com duração de pouco mais de duas horas e pode ser acessado na íntegra pelo canal do TJSC no YouTube.

Ouça o nosso podcast.

Conteúdo: Assessoria de Imprensa/NCI
Responsável: Ângelo Medeiros - Reg. Prof.: SC00445(JP)

Copiar o link desta notícia.